Título de Cidadão Osasquense ao Sr. Antônio Guaçu Dinaer Piteri – Projeto de Decreto Legislativo 36/2010


 

Câmara Municipal de Osasco


PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO Nº 36/2010

                                                                 “Dispõe sobre a concessão de Título de   Cidadão Osasquense ao Sr. Antônio Guaçu Dinaer Piteri”.

- A Câmara Municipal de Osasco, aprova:

Art. 1º.  Fica concedido o Título de Cidadão Osasquense ao Sr. Antônio Guaçu Dinaer Piteri, pelos serviços prestados a  comunidade osasquense.

Art. 2º .   A honraria que trata o art. 1º, será entregue em Sessão Solene a ser convocada especialmente para esse fim.

Art. 3º .  As despesas decorrentes com a execução do presente Decreto Legislativo correrão por conta de dotação própria constante do orçamento vigente.

Art. 4º .     Este Decreto Legislativo entra em vigor na data de sua publicação.

Sala das Sessões Tiradentes, 14 de dezembro de 2010.

BOGNAR
-vereador-


JUSTIFICATIVA

Antônio Guaçu Dinaer Piteri nasceu em 06 de abril de 1935 em Pindorama, Estado de São Paulo. No início dos anos quarenta, a família de imigrantes italianos transferiu-se para o então bairro de Osasco. Foi no Quilômetro 18, que a família iniciou as atividades em Osasco, instalando a “Padaria do Povo” comércio que ajudava no sustento de sua família e no custeio dos estudos do caçula Antonio, que nessa época passou a ser conhecido como “Guaçu”. Foi na Padaria do Povo, onde as discussões sobre política eram intensas e o menino Guaçu começou a tomar gosto pela mesma. Além disso, dedicava-se nas horas vagas, ao futebol, tendo atuado como goleiro em diversos times de várzea de nossa cidade e jogado como profissional pelo XV de Piracicaba.

Ingressou na Faculdade de Agronomia de Piracicaba ESALQ-USP, tendo exercido o cargo de presidente do “Centro Acadêmico Luis de Queiroz”. Como estudante, teve ativa participação na campanha pela emancipação de Osasco. Rumou então para os Estados Unidos onde cursou mestrado em Sociologia Rural na Universidade de Cornell, e foi lá que conheceu sua esposa Graciela, carinhosamente conhecida como “Chela”.

Voltando ao Brasil, participou ativamente da fundação do  MDB. Sempre militou na oposição por vocação democrática e por compromisso com a justiça social. Em 1966 elegeu-se prefeito de Osasco. Sua administração priorizou obras de saneamento, educação, saúde, pois o novo município carecia de investimentos em infraestrutura. No aspecto político, Osasco fixou-se como referência na luta pela democracia em nosso país.

Visionário, preocupava-se com a educação dos jovens de Osasco e observando a necessidade de mão de obra qualificada para atender um mercado em plena expansão industrial na ocasião, criou a FITO – Fundação Instituto Tecnológico de Osasco – reconhecida nacionalmente como patrimônio da cidade. O Instituto conta hoje com  ensino fundamental, médio, ensino médio técnico, ensino superior, cursos técnicos modulares, cursos livres de música, dança e teatro.

Após deixar a prefeitura com expressiva aprovação, elegeu-se deputado estadual, tendo exercido a liderança da bancada do MDB na Assembléia Legislativa. Foi eleito deputado federal e desempenhou o cargo de vice-líder da bancada nacional do MDB, consolidando-se como uma das maiores e mais respeitadas lideranças políticas de São Paulo.

Em 1976, foi novamente eleito prefeito de Osasco. Voltou sua atenção para as questões de relevância social e sua administração foi marcada pelo intenso diálogo com a comunidade.

Exerceu também os cargos de Diretor Administrativo da CEAGESP e de Superintendente da Região Metropolitana da SABESP.

É autor do livro “SONHAR É PRECISO”, publicado pela Edifieo. A obra revela importantes fatos, sonhos e ilusões vividos desde meados do século passado, tempo em que o autor acompanhou acontecimentos da vida e do mundo, ora como criança da periferia, ora como militante político.

Prefaciado por Fernando Henrique Cardoso, o mesmo cita que “as observações sobre Osasco, a família, a religião, o trabalho, a migração, tudo que diz respeito à tessitura da sociabilidade, mostra a argúcia do sociólogo e a compreensão dos problemas familiares, pessoais e humanos aos quais se devota com a alma de um romancista”.

O livro, segundo FHC, “mostra algo muito importante em São Paulo: como se forma uma nova comunidade, no caso, Osasco. Como brota sentimentos autonomistas e principalmente, como se desenvolvem personalidades democráticas. A história de Guaçu se confunde com a de Osasco e esta é a história de uma cidade democrática”.

Viúvo de Chela, é pai de Laura, casada com Rubén. e também de Cláudio, casado com Viviane. Tem quatro netas, Mariana, Sofia, Gabrielle e Ana Clara.

Atualmente, Guaçu Piteri, renomado mestre, continua seu brilhante trabalho de levar conhecimento a todos como professor da FAC-FITO e do Centro Universitário FIEO.

Guaçu tem o respeito de toda nossa sociedade, especialmente porque ao longo do tempo, vivenciou sua liderança, repartiu com cada osasquense suas experiências e aprendizados, dedicando sua vida na construção da cidade que adotou e sempre amou, merecendo, portanto, ser reconhecido por ela, como Cidadão Osasquense.

Sala de Sessões Tiradentes, 28 de novembro de 2006.

BOGNAR
-vereador-